28 de outubro de 2015 - Publicado por Souza Mark

Até peixe pode causar Câncer

Peixes e carnes tostadas também podem causar câncer assim como as processadas; veja o que acontece e como ajudar seu organismo a se defender desses “ataques”

A Organização Mundial da Saúde (OMS) divulgou nesta semana um comunicado que diz que consumir mais que 50 gramas de carne processada por dia aumenta em 18% o risco de desenvolver câncer colorretal. Essa informação é sabida desde 2010, quando houve consenso entre pesquisadores que a carne processada aumenta o risco de desenvolver câncer.

Evitando o Câncer

A notícia, porém, causou comoção e muitas pessoas temem comer qualquer tipo de carne – mesmo as não-processadas – por medo de todas elas causarem câncer. Mas não é bem assim: quem gosta ainda pode comer aquele bife acebolado ou a carne de panela sem peso na consciência. Mas é preciso alguns cuidados.

Carnes processadas

Nas carnes processadas, os agentes cancerígenos estão nos nitritos e nitratos, aditivos químicos que são tóxicos ao corpo e, em quantidade alta, têm capacidade de alterar o DNA das células e fazer com que elas se repliquem desordenadamente, causando câncer.

O nutrólogo Roberto Navarro diz que, se a recomendação que a OMS só divulgou agora fosse seguida à risca, todos parariam de comer qualquer tipo de carne processada.

Até peixe pode causar câncer

Roberto Navarro explica que as outras carnes, a vermelha, de frango ou de peixe sofrem outro alerta. Para que elas não se tornem cancerígenas, é preciso que passem por um cozimento brando. “Quando são tostadas e formam aquele ‘pretinho’, a nitrosamina, um composto cancerígeno, é liberada”, alerta ele.

Tostou? Liberou nitrosamina, que é cancerígena

Isso vale para bifes muito grelhados, churrascos ou qualquer outro tipo de preparo que toste as carnes. Tostou? Liberou nitrosamina, que é cancerígena. A recomendação é que as carnes sejam preparadas por meio de cozimento brando, e não tostadas, assim a nitrosamina não é liberada.

No caso da carne vermelha, Navarro explica que há outra recomendação que diz para não consumir mais do que 400 gramas por semana.

“As carnes são cancerígenas quando são tostadas e, sobre ela, forma aquele ‘pretinho’, que é a nitrosamina, um composto cancerígeno”

A nitrosamina é chamada, assim como os nitritos e nitratos, de agentes promotores da mutação do DNA. Maléfica, ela é capaz de entrar do DNA e destruir sua estrutura. As células mais velhas, então, morrem e passam o código genético para as mais novas. Por causa da ação da nitrosamina, esse código passado é alterado. Essas novas células, então, se replicam diferentemente da célula-mãe, formando tumores.

“As carnes são cancerígenas quando são tostadas e, sobre ela, forma aquele ‘pretinho’, que é a nitrosamina, um composto cancerígeno”

Alimentação que protege contra câncer

Quando os médicos falam da importância de manter uma boa alimentação para preservar a saúde, o assunto não é brincadeira. O corpo tem mecanismos de defesa que, quando o DNA é mutado por causa desses compostos cancerígenos, “obrigam” o DNA a voltar ao seu estado original. O combustível para esse “exército de defesa” está na alimentação.

Antioxidantes

Os compostos cancerígenos favorecem a oxidação das células e liberam radicais livres, que atacam o DNA. Por sua vez, se a alimentação for rica em compostos antioxidantes, essas substâncias atacam os agentes agressores e o corpo consegue se defender com mais eficácia.